domingo, 10 de junho de 2007

Aquele com os morangos




NÃO PERCA OS MOMENTOS BONS

Rubem Alves
Vou escrever rude e direto. Há ocasiões em que não há tempo para delicadezas e rodeios. Você acha que sua vida é uma droga, que ela não é nada daquilo com que você sonhou. Deixe suas queixas para quando houver real razões para elas; não estou fazendo o jogo do contente da Polianna e nem usando o argumento "muita gente está pior do que você".
O jogo do contente é um jogo de mentiras e o jogo do "muita gente está pior do que você" não consola. A desgraça do outro não é razão para eu estar feliz. Estou simplesmente tentando chamar você à razão. Não é a sua vida que vai mal. É a sua alma. Da tradição Zen vem esta história que eu quero lhe contar: "Um homem estava numa floresta escura. De repente ouviu um rugido terrível. Era um tigre. Aterrorizado, ele se pôs a correr, mas caiu num precipício. No desespero da queda agarrou-se num galho e ali ficou. Foi então que, olhando para a parede do precipício, viu um pé de morango. E nele, um morango, gordo e vermelho. Estendeu o seu braço, colheu o morango e o comeu deliciosamente". E assim termina a história. Pode ser mais tarde do que você imagina. Não perca os momentos bons que a vida está lhe oferecendo, mesmo quando você se encontra em desespero. Pode chegar um momento em que você tenha que dizer: "Que pena que não comi com alegria o morango". Mas aí será tarde. Lembre-se: o passado já foi. Não há como lamentar. O futuro ainda não chegou. Só não tenha o que lamentar quando ele chegar. A única coisa que temos é o momento presente. Portanto, não perca os momentos bons.

p.s.: Meu problema é sempre ficar pensando na geléia que eu posso fazer com os morangos.
p.p.s.: Não tenho certeza se este texto é mesmo de Rubem Alves. Sabe como são essas coisas de Internet...