quarta-feira, 13 de junho de 2007

Aquele em que eu volto atrás

Bom. Eu deletei meu post anterior (para quem não chegou a ler, mais um da série "oh céus! oh vida! oh azar"). Não que as sensações tenham mudado muito de ontem para hoje. É que, cada vez mais, eu acredito na força das palavras e, hoje, ao reler o que eu escrevi ontem, fiquei com a sensação de estar alimentando ainda mais tudo aquilo. Eu já penso sobre, falo sobre, escrever e publicar é materializar demais esses sentimentos. No momento foi bom, me aliviou. Mas não quero cultivar coisa tão áspera. Além disso, fui injusta. Tenho pessoas muito boas na minha vida que me fazem acreditar que eu não sou um caso perdido. Tenho mais é que agradecer.

Hoje eu acordei com vontade dessa música. Gosto dela. Bastante:



A Cura

(Lulu Santos)

Existirá, em todo porto tremulará (se hasteará)
A velha bandeira da vida
Acenderá todo farol iluminará
Uma ponta de esperança
E se virá, será quando menos se esperar
Da onde ninguém imagina
Demolirá, toda certeza vã, não sobrará
Pedra sobre pedra
Enquanto isso não nos custa insistir
Na questão do desejo, não deixar se extinguir
Desafiando de vez a noção
Na qual se crê que o inferno é aqui

Existirá
E toda raça então experimentará
Para todo mal a cura