domingo, 15 de julho de 2007

Aquele com o Pessoa

O "Mar Português", de Fernando Pessoa, sempre foi meu poema preferido. Sei declamar e tudo. (Não que isso sirva para alguma coisa. Não começo a declamar o "Mar Português" no meio de uma festa, por exemplo). Mas amo. Não sou uma ficcionada pelo tema grandes navegações. O que me encanta é como o Fernando Pessoa fala sobre a vida, usando este tema como pretexto.
"Tudo vale a pena, se a alma não é pequena", virou quase um ditado popular. Mas meu verso preferido é o que eu exibi no meu MSN durante a semana inteira: "Quem quer passar além do bojador tem que passar além da dor". O bojador é um ponto no mar, mas pode ser tantas outras coisas. Estou cada vez mais certa de que encarar a dor é um método mais eficaz do que fugir dela. No fim das contas, até a dor tem seu lado bom, tal como o mar, ao qual Deus deu o abismo e o perigo, mas também no qual Deus espelhou o céu.

Feliz 15 de julho para vocês também!


Mar Português

Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!


Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.


* Sobre o Cabo do Bojador. Aqui.