domingo, 30 de setembro de 2007

Aquele sem graça

Pra vocês verem como é que são as coisas. No post passado eu comemorava a vida do meu primo, Gu. O post de hoje, infelizmente, é o oposto. Um outro primo, Andrey, de 26 anos, morreu essa madrugada, de acidente de moto. Mesmo não sendo tão ligada a ele fiquei muito chocada, como a gente costuma ficar ao ver uma pessoa tão jovem perder a vida.

É impressionante como é tênue a linha que separa a vida da morte. E é mais impressionante ainda a dificuldade que nós temos de enxergar isso. Se fôssemos conscientes dessa fragilidade, certamente, não viveríamos dando importância a tanta coisinha pequena, trataríamos de viver mais.

Foda.

Mas, por falar em vida, que continua e é preciosa, gostaria de agradecer aos recados que recebi no meu aniversário, aqui, no meu Orkut, por e-mail. Me emocionei demais com os afetos que chegaram via internet, via telefone, via Correios e com os posts nos blogs amigos. À Lili, à Jujú, à Sam, à Sá, ao Brunito, e à Brunita, meu muitíssimo obrigada pelas palavras tão lindas e por me fazerem perceber que, definitivamente, eu não tenho nenhum problema cardíaco...foram tantas emoções. Obrigada também aos que estiveram na comemoração, sexta. Amei tudo! Não poderia ter ficado mais feliz. Depois eu coloco algumas fotos aqui.

Vou terminando com uma frase de um dos meus filmes preferidos, Sociedade dos Poetas Mortos:

Tornem suas vidas extraordinárias!