quinta-feira, 1 de novembro de 2007

Aquele do epitáfio

Quando eu morrer - numa cama quentinha, aos 97 anos, já meio gagá - poderão escrever em meu jazigo:

Aqui jaz Fernanda Pinho. Uma pessoa que nunca lidou bem com crises. Que, ao primeiro sintoma de naufráugio iminente, pulava fora do barco. Porque não sabia brigar. Mas sabia nadar.