terça-feira, 13 de novembro de 2007

Sobre mudar

E menos de dez dias após o comunicado e já com o rabinho entre as pernas: voltei! A vontade de escrever foi maior que a falta de assunto. Que não era uma falta de assunto, propriamente dita. Era a falta de vontade de ter que escrever nas entrelinhas ou metaforicamente para camuflar o que realmente se passava. Então, achei mais prudente me recolher que dar nome aos bois. Vivo em sociedade, afinal. Preciso ser sensata e educadinha.

Mas não preciso ser constante. Por isso eu mato o meu blog e o ressucito com o mesmo desprendimento com o qual decido mudar de profissão. Sim, estou decidida a mudar de profissão. Já ouvi N pré-julgamentos a respeito da minha atitude e quer saber? Estou pouco me lixando. A vida é minha e dela faço o que eu quiser.

Fui e sempre serei uma apaixonada pelo jornalismo. Não me arrependo de tê-lo escolhido e não estou desistindo sem tentar. Só não acho que seja pra mim. O primeiro passo já foi dado: me libertei! Há quem diga que o problema está todo aí: me desiludi com a última experiência profissional e por isso estou abandonando o barco.

Não é bem assim. Ninguém teria o poder de me fazer desistir. Quero mudar de carreira para dar vazão a um anseio crescente, dentro de mim. Sei que não é apenas no jornalismo que existem pessoas irresponsáveis e sem compromisso e estou preparada para lidar com isso em qualquer outro trabalho.

O que eu quero evitar é um frustração daqui a vinte anos por não ter seguido o caminho que eu quis. Hoje, tenho 24 anos, uma família que me apóia e nem um peixe beta dependendo de mim para sobreviver. Para jogar tudo pro alto e começar de novo, a hora é agora.

E o mais importante: já sei o que eu quero.

Avante!