segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008


Segunda-feira cedo. Chuva. E-mail cheio de pendências. Tudo muito diferente dos últimos dias, de sol rachando, piscina e excelentes companhias. Estive viajando e, esta madrugada, no ônibus de volta para casa, cheguei à conclusão de que havia sido uma viagem perfeita. Nada, nadica de nada, deu errado. Até chegar aqui, abrir minha mala e encontrar o CD onde estavam salvas as 650 fotos da viagem partidos ao meio. É o fim do quindim, como diriam os resplendorenses. Algo como "é o fim da picada". Mas muito mais doce. Adorei. Agora, enquanto vou à captura das fotos perdidas o jeito é rever as cenas registradas na memória. E essas são ainda melhores. Têm som, cheiro, sentimento. Quanto às outras, tenho essa aí de consolo esquecida na minha máquina. Eu, Calypso, Aleta e Felipe no trem Vitória-Minas, indo para Resplendor, ao encontro do amigo-anfitrião, Rumenigue. Foi demais.