quinta-feira, 3 de abril de 2008

Tenho talento para muitas coisas. Para sentir culpa então, nem se fala. Impressionante minha capacidade de fazer qualquer fato banal pesar 200 toneladas na minha consciência (e no meu inconsciente também). Dia desses, deu-se o cúmulo. Decidi que não queria escovar meus dentes antes de dormir. Nenhuma razão especial. Apenas estava com preguiça, com frio, de saco cheio, certa de que escovar os dentes não iria resolver os problemas do mundo e a fim de cometer uma pequena contravenção. Ignorei, então, solenemente, escova e pasta de dente e fui dormir. Sonhei a noite INTEIRA que estava perdendo os meus dentes. Acordei esbaforida e fui direto ao espelho conferir se meus 28 dentes remanescentes continuavam aqui. E, vendo que sim, fiquei superfeliz e fazendo promessas de higiene eterna.

Moral da história: pessoas encanadas e neuróticas não podem se dar ao direito de sair da linha.