quarta-feira, 20 de agosto de 2008

O Livro - post I

Estou inaugurando neste momento a série "O Livro", aqui no blog, que será o espaço para eu falar sobre ... O livro. A idéia original era ter inaugurado essa série três meses atrás. Porém, sou adepta da teoria da zica, muito bem explicada pela minha amiga Paula Ribeiro. Preferi, então, deixar as coisas se concretizarem, antes de alardear por aí.

Seguinte. Estou realizando um dos grandes sonhos da minha vida (tenho dois: ser mãe e ser escritora de livros). Como eu não estou grávida, nem me inscrevi numa lista de adoção, nem estou inaugurando uma série chamada "O Bebê", é de livro mesmo que estou falando.

Faz mais ou menos três meses, que graças às indicações internéticas da minha amiga Lili, o resumo de uma das histórias que invento (é, tenho hobby de escrever histórias, criar personagens etc e tal), foi parar numa editora de novos autores. Pelo visto, eles acharam interessante e me pediram que enviasse a história completa. Enviei - na maior despretensão, nem registro de Direitos Autorias na Biblioteca Nacional eu tinha - e eles gostaram.

E assim, a história que eu inventei anos atrás, com o único objetivo de mandar para algumas amigas, virou livro. O livro, que recebeu o nome de "E se eu for uma frigideira?", tem como personagem central a Thelma, uma garota de 20 e poucos anos - estressada, neurótica, exagerada - que teme estar eternamente condenada a não encontrar a tampa de sua panela (não é uma autobiografia, engraçadinhos). Como pano de fundo, a crise dos 20 nas mulheres, que, ao me ver, é um tema que poderia ser mais explorado pelas mídias em geral (basta a gente comparar com o grande número de livros, revistas, filmes e seriados que existem dedicados às adolescentes e às balzaquinas, por exemplo). Obviamente, meu livro (ainda acho estranho chamar minha historinha de livro) não tem a pretensão de ocupar nenhuma lacuna editorial. É apenas um comentário sobre uma certa escassez que eu, que tenho 24 anos, sinto.

Bom, desde que soube que o livro seria publicado, cuidei de aparar algumas pontas soltas na história, de editá-lo bem bonitinho, de tirar as referências explícitas a pessoas que conheço (é uma ficção, afinal) e das burocracias (registros, contratos). Ontem, finalmente, soube que meu livrinho, "E se eu for uma frigideira?", já está a venda pelo site da editora, que é este aqui ó.

Se vocês estiverem muito ansiosos ou forem fãs incodicionais da minha pessoa, sintam-se à vontade para comprá-lo. Entretanto, eu aconselho que esperem algumas semanas, quando poderão adquirir comigo mesma. Afinal, só assim você receberá seu exemplar autografado (o que pode ser tornar uma relíquia, caso eu vire uma escritora superfamosa...rs).

Amigos de Belo Horizonte, aguardem! Teremos, em breve, um lançamentinho.

Por hoje, é só (?). Não vou falar tudo senão minha série, será uma série de um capítulo só.

Beijos (nossa, como eu fico simpática quando estou feliz).