sábado, 30 de agosto de 2008

O Livro - post II

As amigas:

Embora a Thelma, personagem principal de "E se eu for uma frigideira?" - vulgo, meu livro - tenha um universo bem diferente do meu, algumas semelhanças foram inevitáveis. A principal delas é um forte elo que ela tem com suas amigas. Mesmo porque, quando comecei a escrever a história, a única coisa que eu pretendia era mostrá-la para minhas amigas e, fazer com que a Thelma fosse extremamente ligada às suas, foi uma forma que encontrei para homenagear as minhas. Não por um acaso, ao longo do livro, são recorrentes algumas referências (umas subliminares, outras nem tantos) às minhas amigas.

Além de musas inspiradoras, algumas amigas foram, também, as primeiras leitoras. Sam foi a primeira. Como somos a "cobaia" oficial uma da outra - eu leio o que ela escreve, ela lê o que eu escrevo - fui enviando para ela página por página dessa história. Quando ainda a chamávamos apenas de "a história da Thelma". [A propósito, Sam escreveu lindamente sobre isso em seu blog. Para ler CLIQUE AQUI].

Depois foi a vez da Jujú - que é igual a mim na vida real e identificou exatamente o que nós duas temos de Thelma. Aí eu mandei lá para o Japão e a Taka leu. Depois minha irmã mostrou para a Ster, que leu também. E então foi a vez dela mesma, minha irmã, ler e dar seus pitacos. E, assim, cheguei ao número de cinco leitoras. Todas muito importantes, pois me incentiveram e me deram uns toques. Enfim, figuras fundamentais para que "a história da Thelma" virasse um livro.

Claro que, ao longo do caminho, também recebi o apoio moral e braçal de outras amigas (mas isso é tema para outros posts). É por essas e outras que, na minha dedicatória eu falo que...ah, não vou contar. Vocês precisam comprar o livro!

No próximo post: A capa.
Não entendeu nada do que eu estou falando? CLIQUE AQUI.


(Resolvi concentrar informações sobre o livro em um outro endereço para facilitar minha vida).