domingo, 7 de setembro de 2008

Das lições

Em uma dessas situações insólitas, que nos acontecem de vez em quando, fui parar na função de caixa, numa festa em um parque de exposições de uma cidade vizinha a Belo Horizonte. Não era um trabalho exatamente. Eu estava ajudando minhas amigas que eram organizadoras do evento. Mas isso não vem ao caso. O que importa são as lições que tirei dessa experiência de ficar vendendo fichas para cerveja, refrigerante e energético (é, estou numa fase de interpretar minha vida como se fosse uma grande fábula).

Lição 1: De hoje em diante terei muito mais paciência com as atendentes lerdinhas e desorientadas. Não é fácil, sobretudo quando metade das pessoas que vêm até você estão consideravelmente alcoolizadas.

Lição 2: Juro, publicamente, que NUNCA MAIS vou soltar minha pérola: "Eu tenho o dinheiro para pagar. Você não tem o troco. Então quem tem um problema aqui é você". Já falei isso por aí N vezes, como quem diz "Se vira, quero meu troco". Muito cruel da minha parte. É desesperador você ver seu troco acabando e alguém lhe entregar uma nota de R$ 50 (quando um cara quis me pagar com uma nota de R$ 100 levei um susto que parecia até que ele tinha me apontado uma arma).

Ah, nada como uma troca de funções sociais para nos tornarmos pessoas mais tolerantes.

Mas devo dizer, continuo não lidando bem com atendentes em geral mal educados. Porque até nas horas em que eu não tinha troco fui bem legal com todos. Eu acho.