quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Mãe

Dias desses, eu e minha irmã estávamos conversando sobre dom. Falávamos sobre as pessoas que têm dons muito latentes (tipo a Fernanda Montenegro para atuar, o Chico Buarque para compor, a Marisa Monte para cantar, o Veríssimo - pai e filho - para escrever) e aqueles que nem percebem que têm um determinado dom. Começamos, então, a listar os dons das pessoas que conhecemos. Quando fomos falar dos dons da nossa mãe, chegamos a conclusão de ela é uma pessoa cheia deles. Entrentanto, nenhum é maior que o dom que ela tem para ser mãe. E aí, a gente se entreolhou e falamos quase que simultâneamente. "É muita sorte que a nossa mãe seja uma pessoa cujo maior dom é ser mãe". Sorte mesmo. É tanto amor, é tanta dedicação que, às vezes, sinto até um aperto por não dar conta de ser tudo o que ela merece que eu seja. Mas o importante é que ela saiba que em tudo o que eu sou, em tudo o que eu faço, em todos os caminhos que eu percorro, existe, antes de tudo, uma vontade infinita de fazê-la feliz.

Mãe, para você eu desejo saúde, amor, serenidade, paz e muitos anos de felicidade plena. E, para mim, desejo que eu chegue à sua idade com esse corpitcho. Pelo menos a genética está ao meu lado!
Feliz aniversário! Te amo demais!!!!!!!

[na foto: nós três][e eu não tenho as pernas tortas, foi só bobeira de foto]