segunda-feira, 22 de junho de 2009

Sua cartilha tem o A de quê cor?



Minhas cores primárias foram: branco, azul e vermelho. As cores referentes aos nomes das pessoas da minha casa. Pois é. Eu acho que os nomes tem cores e sei que é loucura compartilhada, pois minha melhor amiga, a Lili, também acha. Sendo assim, estabeleci: Léia, o nome da minha mãe, é azul. Luiz, o nome do meu pai, é vermelho. Paula e Fernanda, eu e irmã, nomes brancos. Pode até ser que haja alguma lógica inconsciente nisso tudo. Afinal, azul é a cor preferida da minha mãe. Vermelho é o apelido do meu pai. E é natural que duas irmãs tenham nomes da mesma cor. Mas não é simples assim. Eu não acho que Luiz seja vermelho porque meu pai tem o apelido de Vermelho. Só é a cor que vem à minha cabeça quando eu falo Luiz. Pensem bem, gente! Luiz, quer coisa mais vermelha que isso? Luiz Carlos ameniza um pouco. Porque Carlos é verde. Não um verde vivo tipo Sandra, nem escuro tipo Roberto. É um verde claro. Paula e Fernanda são brancos porque são nomes abertos. Com muitos "AS", vocês entendem o que eu quero dizer, né? Nomes com muitos "IS" porém, tendem a ser vermelhos. Tipo Liliane, o nome da minha melhor amiga, que é ruiva. Mas uma coisa não tem a ver com a outra, repito. Mesmo porque, conheci Liliane quando nem era tão ruiva assim. Nomes que tem "U" puxam para o escuro. Afinal, as cores escuras são mais fortes que as claras e predominam. Juliana, por exemplo. Tem "I" e tem "A". Mas tem "U". Então é azul marinho. Agora, Juliane é azul e laranja. Porque tem "E" no final. "E" tem algo de laranja. Kelly é um nome bem laranja. Felipe também, mas com uma tarja vermelha no meio (quase uma bandeira). "M" puxa para o amarelo. Maria, Mariana, Marina, Mayra. Tudo amarelo. Mas em tonalidades diferentes. Sendo Marina o do amarelo mais forte. Sabe aquele amarelo cor de manteiga? Então. Apesar de que Márcia, Míriam, Maysa são vermelhos. Vai entender. E Andréia, que nem começa com "M", é um amarelão bem cheguei. Os nomes diferentes também tem cores. Claro que tem! Não bastasse quase não ter xarás eu os deixaria também sem cores? Não mesmo. Ainda mais eu, tendo tantos amigos de nomes peculiares. Rumenigue é muito grande. É como aquelas países de proporções continentais, que tem vários climas. É preto, vermelho e laranja (aliás, nesse momento eu visto uma blusa muito Rumenigue). Loreyne é lilás. Calypso verde. Aleta rosa bebê. E por aí vai. Desde criança coloro os nomes e, por consequência, as pessoas que carregam esses nomes. É estranho, mas é bonito. E muito particular. A Lili, por exemplo, jura que Liliane é um nome branco. Vai entender.


p.s.: preferi encerrar bruscamente a dar um final do tipo: "E assim minha vida se fez uma linda aquarela/arco-íris/mosaico de pessoas que colorem meus dias".
p.p.s.: post inspirado e dedicado à Mayra que dia desses escreveu sobre as cores dos amores.
p.p.p.s.: por falar nisso, agora eu tenho achado que as músicas também tem cores. Mas isso é loucura para outro post.