sexta-feira, 23 de abril de 2010

Saia de mim

Eu não deveria gastar energias - além das que já gastei - escrevendo sobre você. E eu realmente não pretendia fazê-lo. Mas essa noite eu sonhei com você. E então eu me lembrei de que é somente após transformar todo o incomôdo em palavras escritas é que eu consigo seguir em frente. Enquanto eu não escrever, sua vibração negativa continuará me rondando, então vamos acabar logo com isso. Sonhei com aquele dia em que, pela primeira vez, eu te disse que te achava um egocêntrico nojento. Egocêntrico nojento eu só disse no sonho. Na vida real eu só disse egocêntrico. Nojento eu só pensei. E você, sorrindo - na realidade e no sonho - pegou a minha mão e disse: "que lindinha, já está me conhecendo". Naquele momento, meu sentimento de repulsa, por esse seu jeito irritante de se achar o centro do universo, já estava num nível tão elevado, que eu agradeci mentalmente por não ter comido nada antes de sair de casa. Muito provavelmente eu vomitaria na sua cara. Como eu quase vomitei no dia em que você me disse "não é que eu não me interesso por você. É que assuntos que não são os meus não despertam a minha atenção". E ainda sugeriu: "talvez eu não preste atenção às suas conversas, porque você não tem um jeito muito atrativo para contar seus casos". E pensar que, segundo você dizia, estava tentando me conquistar. Imagina se não estivesse? Mas você tem razão. Talvez meus casos não fossem atrativos para você. Eu falo de viagens, de festas, de amizades, de shows, de músicas legais, de filmes inesquecíveis, de livros deliciosos, de lugares do meu coração, de gente boa. Isso não atrai uma pessoa deprimente como você que só fala em problemas, brigas, doenças, solidão e blá blá blá. Problemas todo mundo tem, meu caro. Mas você só tem problemas. A começar pela falta de amizades verdadeiras, como você, em mais um de seus intermináveis desabafos, me revelou um dia. É como eu te disse: você não ouve ninguém, você corta as pessoas, você acha que todo mundo é obrigado a ouvir seus assuntos insuportáveis, você mal pergunta aos outros se está "tudo bem" porque, realmente, não te interessa saber. Será que além de tudo você também é burro? Porque pra mim, que sempre fui uma nulidade em matemática, é muito fácil fazer essa conta e ver que o resultado final será invariavelmente zero amigos. Assim como eu sei que esse egocêntrismo todo é resultado de insegurança vezes insegurança. Você é tão inseguro que chega a ser patético. Saí da sua vida porque você sugava minhas energias - ficar cinco minutos ao seu lado me deixava exausta, como se eu tivesse passado um dia todo capinando um terreno. Saí da sua vida porque eu me respeito demais. Egocentrismo e egoísmo são as características que eu mais abomino nos seres humanos. Outros defeitos me irritam um pouco. Esses defeitos me matam um pouco. Eu não os suportaria nem por amor. Muito menos por pena.


::E hoje é dia de São Jorge. Nada mais oportuno::

Eu estou vestido com as roupas e as armas de Jorge
Para que meus inimigos tenham mãos e não me toquem
Para que meus inimigos tenham pés e não me alcancem
Para que meus inimigos tenham olhos e não me vejam
E nem mesmo um pensamento eles possam ter para me fazerem mal


Armas de fogo,meu corpo não alcançará
Espadas, facas e lanças se quebrem, sem o meu corpo tocar
Cordas, correntes se arrebentem, sem o meu corpo amarrar
Pois eu estou vestido com as roupas e as armas de Jorge