segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Cigana

[fernanda pinho feat. shakira]


Quebrei o meu coração na estrada. E mais de uma vez, se você quer saber. Passei o fim de semana costurando os pedaços, mas sempre falta alguma parte. Sonhos e destinos passam por mim. Caminhar fica tão chato, quando se aprende a voar. E eu aprendi tão cedo, que hoje penso que deveria ter adiado esse momento. Você já deve ter notado que não sou do tipo caseira. Também não sou do tipo que disfarça, que faz charme, que faz jogo. Sou do jeito que eu sou e quem aguentar, aguentou. Desligue-se um pouco. E quem sabe o que poderá encontrar? Não confessarei todos os meus pecados. Não adianta buscar pistas e achar que sabe tudo quando lê o que escrevo. Você não sabe nada nem mesmo quando eu falo. Tudo isso não é nada. O que sinto é mais profundo e mais secreto do que você ousar imaginar. Tão secreto que tem coisas que nem eu sei. Você pode apostar que eu tentarei. Mas nem sempre se pode vencer. Porque eu sou uma cigana. Você vem comigo? Eu posso roubar suas roupas e todo resto. Saiba, que me interessa muito. Mas eu nunca fiz acordos e, como uma cigana, eu não vou recuar. A vida já me machucou demais. Se eu tentar de novo, terá sido só mais um machucado entre tantos. Eu já sei me recuperar. Se eu não tentar posso perder a chance. Eu sou de perder batalhas e jogos. Mas não de perder chances. E eu não vou chorar, se você quiser me deixar. Sou muito jovem para morrer. Porque eu sou uma cigana. Eu não posso esconder o que fiz, cicatrizes me lembram de quão longe vim. E lágrimas denunciam que eu já não acredito nas pessoas tanto assim. E a quem possa se interessar: me machuco, mas também sei machucar. Eu disse: "Ei, você não é tolo se disser não". Não é assim que a vida acontece? As pessoas temem o que elas não conhecem. E você não me conhece. Embora já seja parte. Não pense que tudo é pra você. Nem que tudo seja verdade. Tem gente que fica por ficar. Tem gente que escreve por escrever. Não tente entender. Vamos apenas deixar como está e já é bom. Nem tudo precisa ter um números. Nem tudo precisa ter nome. Tudo precisa ter vontade. E isso já tem.