terça-feira, 5 de outubro de 2010

Leituras recentes

O Símbolo Perdido

O único contato que eu havia tido com a obra de Dan Brown foi o filme O Código da Vinci, porque o livro mesmo eu não li. E, bom, não gostei nada do filme, achei confuso demais e logo supus que o filme não havia dado conta de condensar todas as informações do livro. Agora que li O Símbolo Perdido, tenho certeza disso, pois percebi que a narrativa de Dan Brown é muito rica em detalhes. Para vocês terem uma ideia, as 400 páginas contam uma história que se passa em apenas uma noite. Mas nem de longe é um livro cansativo e maçante. Pelo contrário, trata-se de um ótimo suspense que fala de um assunto que muito me interessa: a maçonaria. Foi, aliás, o que me levou a ler o livro, pois tenho muita curiosidade em relação às sociedades secretas de modo geral. E não me decepcionei. Naturalmente, o livro não revela, mas esclarece algumas coisas e, pelo visto, com fidelidade à realidade. Li alguns depoimentos de membros da maçonaria sobre O Simbolo Perdido e - ao contrário da igreja católica que se rebelou contra O Código da Vinci - os maçons aceitaram o livro de bom grado.

Doidas e Santas

Sou fã da Martha Medeiros mas, não me pergunte por qual razão, eu ainda não havia lido o livro mais vendido dela - exceto algumas crônicas avulsas por aí. Doidas e Santas é uma coletânea de crônicas que ela publicou durante alguns anos no jornal Zero Hora. Como são crônicas curtinhas, podem ser consumidas como pílulas ao longo do dia. Além de deliciosos os textos da Martha são muito informativos e ela vive nos apresentando artistas, livros e filmes. Agora, aguardo ansiosamente pelo novo livro dela, que será lançado este mês, Fora de Mim. Pelo que eu ouvi dela numa entrevista, esse é super a minha cara.

Travessuras da Menina Má

Este, por exemplo, é um livro que eu comecei a ler depois de uma indicação da Martha Medeiros. E que bela indicação, viu? Há tempos não me envolvia tanto com o livro e já comentei sobre ele com todo mundo. Sinceramente, não sei dizer do que mais gostei: se da história de amor entre Ricardo e a menina má, se da jeito leve de Mario Vargas Llosa de escrever ou dos contextos históricos das últimas décadas, apresentados no livro. Tudo lindo e envolvente. Para quem ainda não leu, escrevi sobre no Crônica do Dia.

Embuchada

A Kika Coutinho, autora desse ótimo livro de crônicas, é minha companheira lá no Crônica do Dia e, mesmo antes de eu começar a colaborar por lá, já a admirava. Ela tem um texto muito engraçado, fácil, como uma conversa agradável. A maioria das crônicas, como o nome sugere, foram escritas quando Kika estava grávida e fala sobre essa viagem que é a maternidade. E não é segredo para ninguém que, apesar de eu AINDA não ter filhos, o assunto muito me interessa.

A Juba do Leão

Desde que minha amiga Maria Samara me aplicou a série Sherlock (Que foi produzida pela BBC, com apenas três episódios, mas muito mais legais que o filme de Guy Ritchie - apesar de eu amar o Robert Downey Jr.)...escrevi um parêntese tão grande que perdi o fio da meada. Enfim, desde então temos falado muito sobre Sherlock e seu criador sir Arthur Conan Doyle. Então, no meu aniversário, ela me apresentou com este livro de contos envolventes e surpreendentes, como não poderia deixar de ser. Alguns são narrados em primeira pessoa pelo próprio Sherlock e outros em primeira pessoa por seu fiel escudeiro, doutor Watson. Incrível como Conan Doyle emprega bem a personalidade de seus personagens no jeito de narrar. Talvez por issa eu prefira aqueles narrados por Watson, já que Sherlock é aquela figura confusa e excêntrica.

Próximos da lista: A Arte de Ser Leve (Leila Ferreira), No Buraco (Tony Bellotto) e Fora de Mim (Martha Medeiros).