segunda-feira, 14 de março de 2011

Sobre Sam

Eu costumava escrever no meu blog sempre que um dos meus amigos estava fazendo aniversário. Abandondei o hábito, embora continue fiel aos amigos. É que estava soando repetitivo, afinal de contas, o que eram os posts de anverisários além de meras repetições de votos que eu desejava para eles durante todos os dias do ano? Acontece que me deu vontade de escrever sobre a Sam. Nem digo que estou resgatando o hábito antigo, já que isso aqui nem vem a ser exatamente um post de aniversário (embora ela tenha nascido num 14 de março).

Deu vontade de escrever sobre ela porque ela nasceu em Fortaleza e acho que não poderia ser mais apropriado. Se você conhece a Sam - que sorte, hein? - vai entender o que eu estou dizendo. Se você não conhece - sinto muito - vou tentar te explicar. Você nunca verá a Sam dando esparro, praguejando contra o mundo, se julgando perseguida pelas mazelas da vida, nem achando que seus problemas são maiores do que os outros. Conhece alguém que age assim? Eu conheço um monte. A Sam não. E, quer saber? A Sam teria motivos para adotar qualquer comportamento meio desesperado. Mas não o faz. A Sam enfrenta suas dores e suas alegrias sem fazer alardes. E ela não precisa disso mesmo, pois tem o dom de comunicar sem precisar dizer. Fala com os olhos, com os gestos. Porque a Sam é serena. Passa por tudo, sem incomodar ninguém. Por isso eu digo que ela é minha fortaleza. Pois é a ela que recorro quando estou embolada nos meus dramas idiotas. A Sam sempre me ouve e me traz uma palavra sensata. Minha amiga, minha irmã, meu cristalzinho da sorte.

Nem vou ficar aqui dizendo o que eu desejo para ela nessa data. Ela sabe muito bem. E, na verdade, nem são meros desejos, são certezas de coisas maravilhosas que sei que acontecerão a ela, por merecimento. Os desejos que eu vou deixar aqui são para você, que está me lendo. Eu te desejo, do fundo do meu coração, que você tenha uma Samara na sua vida.