segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Sobre Ted e a imaturidade masculina





Semana passada assisti ao filme Ted no cinema. Eu sugeri ao Osvaldo porque, pelo trailer, deduzi que era o tipo de filme que ele ia adorar.  Não deu outra, quase teve um troço de tanto de rir, saiu do cinema dizendo que ia comprar o blue-ray do filme e, outro dia, chegou ao cúmulo de dizer que foi um dos filmes mais engraçados que ele viu na vida.

Ok. Vamos respeitar a opinião alheia. Eu, bom, eu ri em alguns momentos, em outros achei o urso muito fofo e em outros dei umas cochiladas (o que não pode ser levado em conta como demérito do filme porque sempre durmo mesmo).

Mas foi a conta de colocar o pé pra fora do cinema que nem lembrava mais que o filme existia. Nem pensei mais sobre o assunto, até falar com minha irmã sobre ele. Claro, como era esperado, meu cunhado também virou fã do urso e continuou rindo litros, duas horas depois do filme ter acabado.

Então eu resolvi parar para pensar sobre o filme e a única conclusão que eu chego é que é no mínimo curioso os homens acharem tanta graça num filme é a maior ironia com a imaturidade deles. O cara que tem 35 anos e ainda tem um ursinho de pelúcia e morre de medo de trovão é um escárnio com o cara que, já adulto, tem medo (de responsabilidades, de compromisso), que brinca com os outros, que só faz o que a mãe quer, que não tem coragem de bancar seus próprios ideais. É isso que o personagem John Bennett representa.

E o Ted é a materialização (ou ursonificação) daquele amigo mala, que não evolui em nada e fica querendo empacar a vida do outro. Tanto que ele trabalha, dirige, bebe, fuma e todo mundo acha normal. Afinal, ele é uma pessoa, representada por urso só pra transformar o deprimente em engraçado .

Assim é a vida. Na real ou no cinema. Os homens pensam de menos, as mulheres pensam demais (vide eu, que já estou no sexto parágrafo de um texto sobre um filme que, a princípio, não me disse nada). E, posso confessar? Morro de inveja deles. 

Em tempo: esse texto é apenas uma constatação genérica, não é uma indireta porque graças a Deus encontrei um exemplar raro de homem que, apesar de ter Playstation e Xbox, é mais maduro que eu (por isso eu casei :)