segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Um pouco mais de Neruda

Sexta-feira foi feriado aqui no Chile (e na quinta também! Depois dizem que o brasileiro é que inventou o feriado). Adoro quando os nossos feriados coincidem já que, assim, podemos aproveitar para fazer uns passeios em outras cidades. No dia 2, fomos a Valparaíso, a 109 quilômetros de Santiago.

Como eu andava meio Neruda, aproveitamos para visitar a casa que o poeta tinha em um dos tantos morros da cidade. Outra casa? Essa foi a pergunta que minha irmã me fez quando contei a ela sobre o passeio. Então explico para a Paula e para quem mais interessar: Pablo Neruda construiu três casas no Chile que, hoje, estão abertas à visitação. A casa de Isla Negra, sobre a qual falei no post anterior e que não tem nome, La Chacosna, de Santiago e que ainda não conheço, e La Sabastiana, de Valparaíso e que conheci na última sexta. 

Ao contrário do que dizem as boas línguas, o nome "La Sebastiana" não é em homenagem a nenhuma mulher e, sim, ao arquiteto e antigo proprietário da casa, que se chamava Sebastián Collado. Claro que, por dentro, a casa foi toda idealizada por Neruda, que se dizia um construtor. Para todas as suas moradas, ele criava uma decoração peculiar com elementos que remetiam às suas paixões e memórias. 

O valor da entrada na casa é 3.500 pesos chilenos, aproximadamente R$ 14. Todas as casas pagam para entrar e sempre estão cheias, havendo sempre uma pequena espera. Em breve, espero ir na de Santiago e completar o circuito.

Mais uma vez, tivemos que nos contentar com as fotos externas. Eu peguei um folder com fotos ótimas do interior da casa, além de algumas informações interessantes. Mas o folder voou pra fora do carro. Perdi as informações e poluí a estrada. #conscienciapesadamodeon