segunda-feira, 17 de março de 2014

Sobre laços que se desfazem



Você tem carinho, respeito, apreço e memoráveis momentos vividos ao lado de alguém. De um jeito que você, inclusive, ousa chamar a pessoa de “amiga”. E, tudo bem, afinal a pessoa também se refere a você como “amiga” o que torna ainda mais surpreendente o fato de que, de uma hora para outra, o tratamento muda completamente. 

Começa com reações extremas a situações banais e culmina em tentativa de indiferença manifestada em forma de indiretas. Talvez já tenha acontecido com você. Uma vez aconteceu entre uma das minhas melhores amigas e uma “amiga” dela. Fiquei tão chateada com a falta de nexo do acontecido que cortei relações com a “amiga”.

Porque, sério, não tenho a menor paciência pra gente sem cara e coragem pra chegar pro outro e dizer o que está acontecendo. O estranho é que quando a situação aconteceu comigo, não tive coragem de cortar as relações. 

Minha primeira atitude ao perceber a mudança de um tratamento amistoso para um tratamento hostil foi fazer o que me é natural: falar diretamente. Eu achava ter, no mínimo, o direito de saber o que eu havia feito, para ter a chance de me explicar (uma vez que eu sabia nunca ter feito um movimento que fosse com a intenção de magoar a pessoa). Não adiantou muito. Recebi uma explicação evasiva, um pedido de desculpas e o tratamento continuou o mesmo. Ou talvez tenha piorado.

O natural seria eu fazer o que eu fiz com a “amiga” da minha amiga: deletar. Mas antes eu tinha uma esperança de que, a qualquer momento, eu fosse receber uma explicação. Será que eu falei algo que eu não devia? Será que alguém fez uma fofoca? Será que tem alguma coisa muito errada na minha vida que incomode tanto assim? Hoje já não tenho esperança. Porque, pensando bem, esperança é um sentimento muito bonito para depositar numa situação tão ridícula. Não tenho mais esperança, mas tenho curiosidade.

Talvez eu não devesse nem estar gastando meu tempo escrevendo sobre isso. Mas eu tenho essa esquisitice de só conseguir me livrar das coisas depois que escrevo sobre elas.


Então, aqui jaz. 

Imagem daqui.