domingo, 15 de março de 2015

A vida, muito mais incoerente que novela



Já fui bastante noveleira, mas ultimamente ando meio sem paciência para acompanhar alguma coisa durante tanto tempo. Para não negar minhas raízes, porém, acabo vendo o primeiro e o último capítulo e acompanhando uma coisa ou outra nesse ínterim. Foi assim que entendi globalmente a trama de Império e ri litros com as patacoadas do folhetim (sempre quis escrever um texto chamando novela de "folhetim". Me sinto muito profissional), apontadas pelos brilhantes sites de humor.

Acontece que com o fim de Império e a enxurrada de comentários estilo "é só novela mesmo", fiquei aqui pensando com meus botões (também sempre quis usar a expressão "pensando com meus botões". Me sinto muito costureira): será que é só novela mesmo? Porque, convenhamos, que coerência tem a vida, gente?

Lembro de sempre pensar algo do tipo quando refletia sobre a vida da minha avó. Se novela fosse, não ia faltar quem acusasse o autor de fantosioso demais. "Ah não acontece tanta coisa assim na vida de ninguém". Em novela pode até ser que não, mas na vida real sim. Na vida real, mesmo o casal mais apaixonado, que se ama e lutou para ficar junto vai brigar por motivos banais. Pode acontecer, inclusive, de pessoas se apaixonarem e nunca ficarem juntas! Na vida real, uma pessoa pode te jurar amizade eterna num dia e virar a cara pra você em outro sem dar nenhuma explicação. "Hummm...tá muito mal bolado esse enredo". A vida é assim. Nos empurra goela abaixo enredos mal resolvidos e que se exploda a audiência. 

O público vai se chocar? Isso nunca foi critério para os scripts da vida. Em determinado momento do famigerado último capítulo de Império me peguei pensando: "não acredito que a Globo VAI DEIXAR o filho matar o pai". Mas foi questão de milésimos de segundos para vir à minha mente a desfaçatez da Von Richtofen, queridinha de todas as emissoras. 

Pelo menos esperaram até o último capítulo pra matar o comendador. E na vida que pessoas saem de cena no auge da trama e fica por isso mesmo?

A única coisa que ainda não vi acontecer na vida real foi um rejuvenescimento milagroso como o da Cora. Mas do jeito que a medicina e a indústria cosmética andam evoluídos, não vai demorar.